in

Com sintomas, muitas vezes, imperceptíveis, tutores podem não perceber resfriados dos pets

Algumas doenças são comuns nos animais de companhia durante os dias de temperatura mais amena

Você já notou que o seu pet começa a comer mais em dias frios? Assim como nós, humanos, dias assim provocam nos animais a redução de temperatura e mudanças fisiológicas. Durante esse período, o organismo deles agem para se adaptar ao clima, fazendo com que eles comam mais e, assim, geram mais calor para fazer a manutenção de sua temperatura corporal.

Além disso, atividades rotineiras podem diminuir, como correr e brincar, pois, nas baixas temperaturas, os animais de estimação tendem a sentir dores nas articulações e, em alguns casos, podem apresentar latidos, choros e uivos, ao realizar algum movimento. Isso pode ocorrer, principalmente, com aqueles que ainda estão com o sistema imunológico imaturo, os mais idosos, ou aqueles que têm mais propensão a desenvolver doenças respiratórias.

Apesar da semelhança entre a gripe dos pets e a dos humanos, os vírus que afetam os animais não são transmitidos para as pessoas (Foto: reprodução)

A gripe também é bem característica quando se trata do clima mais frio para os animais. No entanto, poucos tutores se atentam. O veterinário e docente do curso de Medicina Veterinária, do Centro Universitário Newton Paiva, Leonardo de Rago Nery Alves, explica que a doença é causada pelo vírus Influenza A, em caso de cães, e vírus HVF-1, herpesvírus e/ou pelo calicivírus felino, em caso de gatos.

O profissional afirma que, apesar da semelhança, não afeta humanos. “O vírus é bastante contagioso e é transmitido pelos pets que já estão doentes. Ele ataca o organismo do animal, debilitando as defesas e causando sintomas como fraqueza, dores, tosse, coriza, febre, prostração, falta de apetite, entre outros”, diz.

Outra doença que é bastante comum nos dias mais frios é a cinomose, uma enfermidade que afeta especificamente os cães. Ela é causada por um vírus transmitido pelo ar ou por meio de secreções de outro animal infectado. “Como o vírus adora ambientes frios, costuma atacar no inverno, e os sintomas são bem parecidos com os da gripe, como tosse, diarreia, febre, falta de apetite e secreção amarelada nos olhos e no nariz. Por ser uma doença de alta transmissão, é fundamental manter a caderneta de vacinação dos pets em dia”, reforça Leonardo de Rago Nery Alves. 

Para prevenir essas e outras doenças, o veterinário dá algumas dicas fundamentais para o bem-estar do pet. Confira: 

1 – Manter a caderneta de vacinações em dia;

2 – Ração e água limpa à disposição;

3 – Cobertores e roupas para mantê-los bem aquecidos;

4 – Evite banhos frios. Se não puder evitar, prefira água morna e um horário com bastante sol;

5 – Atenção para qualquer mudança de comportamento e humor;

6 – Em caso de alguns dos sintomas, procure imediatamente um médico-veterinário de confiança.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Veterinários explicam os tipos de técnicas anestésicas para animais de companhia

Pesquisadores visam novas ferramentas de diagnóstico para câncer de mama em cães

Setor pet brasileiro cria 2,83 milhões de empregos e ultrapassa 285 mil empresas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

otite externa

Nova campanha da Elanco mostra como o cão escuta o mundo quando desenvolve otite externa

filhote

As curvas de crescimento podem aprimorar as recomendações nutricionais de filhotes?