Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Conheça dicas para evitar doenças gastrointestinais em pets

Cuidados simples no dia a dia podem evitar o surgimento ou o agravamento de enfermidades
Por Equipe Cães&Gatos
cachorro médica
Por Equipe Cães&Gatos

Falta de apetite, vômitos, diarreia, perda de peso e mudanças de hábitos são os principais sinais clínicos de distúrbios e doenças no sistema digestório de cães e gatos, que variam de breves indisposições a infecções e inflamações graves.

- PUBLICIDADE -

A prevenção é essencial para evitar doenças gastrointestinais ou piora nos quadros clínicos. Confira as dicas da médica-veterinária e consultora da rede de farmácia de manipulação veterinária DrogaVET, Farah de Andrade.

Conhecer bem o comportamento e os hábitos do pet

    A ingestão de alimentos não recomendados, plantas, objetos ou comida em excesso podem causar mal-estar, irritações e até obstruções. Por isso, assim que o tutor perceber mudanças no comportamento, redução de atividade física e apetite, sinais de dor, vômitos e diarreia, deve procurar atendimento veterinário. É importante verificar a possibilidade de algum objeto ou elemento tóxico ter sido ingerido e relatar os detalhes das mudanças e o histórico do animal para o veterinário, facilitando assim o diagnóstico.

    Oferecer alimentação de qualidade

      O médico-veterinário tem papel fundamental na orientação sobre a alimentação dos pets, indicando desde as opções de rações industrializadas ou alimentação natural até a quantidade ideal, considerando a idade, o porte e as condições clínicas.   “A alimentação de qualidade é o ponto mais importante para a saúde gastrointestinal do animal e deve considerar alergias, doenças e particularidades de cada paciente”, comenta Farah. 

      Sempre ofereça água filtrada para seus pets, evitando a contaminação de parasitas (Foto: Reprodução)

      Higiene

        Outro fator importante é a ingestão de água limpa e fresca. O ideal é oferecer água filtrada e não deixar o animal beber água de poças e lagos.

        A limpeza do ambiente, jardim, tapetes higiênicos e caixa de areia evitam a proliferação de verminoses e a coprofagia. Evitar que o gato tenha acesso à rua e higienizar os cães no retorno dos passeios evita o contato e a ingestão de sujeiras, vermes e microrganismos.

        Prevenção de ectoparasitas

          Além de desconforto e alergias, pulgas também transmitem vermes, portanto, o controle de ectoparasitas colabora com o desenvolvimento de verminoses.

          Atenção ao ambiente

            Cães e gatos são curiosos e não perdem a oportunidade de experimentar algo que os atraia. Por isso, é essencial evitar acesso ao lixo, a alimentos gordurosos, a plantas tóxicas, a produtos de limpeza e a brinquedos e objetos que possam ser ingeridos.

            Em caso de dúvidas sobre a saúde do seu pet ou o tratamento, consulte um médico-veterinário de confiança (Foto: Reprodução)

            Principais doenças gastrointestinais em cães e gatos

            As verminoses são causadas por vermes e protozoários que se alojam no organismo do pet, principalmente no intestino, mas também podem se abrigar no fígado, nos pulmões e no cérebro, tornando-se letais. São facilmente transmitidas por meio de água, fezes e alimentos contaminados; contato com a pele do pet; picadas de insetos; transmitidas da mãe ao filhote, durante a gestação e o aleitamento; e pela ingestão de pulgas contaminadas ou de animais como lagartixas, pássaros e roedores.

            A gastroenterite é uma inflamação de todo o sistema digestório e tem causas diversas. Já a gastrite (inflamação da mucosa do estômago), geralmente é causada por infecções bacterianas ou por parasitas; doenças renais, hepáticas, virais ou hormonais; alergias ou intolerância alimentar; estresse; ingestão de produtos tóxicos ou objetos e, até mesmo, tratamentos medicamentosos. Distúrbios do fígado, ducto biliar ou pâncreas podem provocar colestase, ou seja, a redução ou a interrupção da bile (líquido digestivo produzido pelo fígado).

            A pancreatite é uma inflamação grave no pâncreas, órgão que produz as substâncias responsáveis pela digestão e pode ser aguda, com desenvolvimento rápido e que pode causar necrose tecidual e levar a óbito, se não tratada a tempo; e crônica, que é uma inflamação contínua e progressiva, que causa danos permanentes e perda de função do órgão.

            A doença inflamatória intestinal é uma inflamação nas mucosas do intestino e do estômago com causa desconhecida, mas estudos sugerem que seja consequência de uma alteração na resposta inflamatória e imune do animal, que interfere na absorção de nutrientes e na motilidade intestinal. A disbiose intestinal é uma condição na qual ocorre um desequilíbrio da microbiota do pet e uma hiper população de microrganismos ruins, que pode predispor a translocação bacteriana para outros órgãos do animal, gerando infecções. E a colite canina é uma inflamação no cólon, parte principal do intestino grosso.

            Em caso de dúvidas sobre a saúde do seu pet ou o tratamento, consulte um médico-veterinário de confiança.

            Fonte: Drogavet, adaptado pela Equipe Cães e Gatos.

            LEIA TAMBÉM:
            Brincadeiras educativas para pets promovem saúde física e mental
            Osteoartrose é mais frequente e grave em cães maiores e mais pesados
            Alimentos crus podem conter bactérias resistentes a antibióticos para pets

            Compartilhe este artigo agora no