in

Displasia coxofemoral pode ser empecilho na garantia do bem-estar aos felinos

Problema ocorre mais em cães, mas, também, nos gatos. Obesidade pode ser fator desencadeador

A displasia coxofemoral, condição ortopédica hereditária do quadril é o resultado do desenvolvimento anormal de uma ou ambas as articulações coxofemorais e está presente, também, nos pacientes felinos. Mas, seu diagnóstico pode ser desafiador.

O médico-veterinário, especializado em Ortopedia, Felipe Garofallo Mardegan explica que, nessa doença, há uma incongruência articular entre a cabeça do fêmur e o acetábulo. “Devido à incongruência e à instabilidade articular entre essas duas estruturas ósseas, ocorre a inflamação dos componentes da articulação (osteoartrite) com progressão para doença articular degenerativa (osteoartrose)”, diz.

Ele comenta que a displasia coxofemoral é muito mais comum em caninos do que em felinos. No entanto, casos leves a moderados não são diagnosticados frequentemente em felinos devido à sua capacidade natural de mascarar e se adaptar à doença. “A displasia coxofemoral é pouco comum entre os felinos sem raça definida. A doença ocorre mais comumente em grandes gatos de raça como o maine coon, persa e himalaia.

Mardegan diz que não é fácil para o tutor ou, até mesmo, para o médico-veterinário avaliar o andar de um felino, uma vez que os gatos raramente realizam exercı́cios na coleira e tendem a não andar em linhas retas. “Além disso, durante a avaliação na clı́nica veterinária os gatos tendem a relutar em andar e são mais propensos a agachar ou deitar. São mudanças no comportamento normal ou no estilo de vida do felino que devem alertar ao tutor a possibilidade de displasia coxofemoral. Nesses casos, os gatos ficam mais relutantes em pular ou pulam em distâncias menores, interagem e brincam menos com seus tutores, além de reduzir o comportamento de caça e o nível de atividade fı́sica”, aponta.

De acordo com ele, durante a consulta, o veterinário deve realizar abdução, além de flexão, extensão e rotação das articulações coxofemorais. Felinos com displasia do quadril e osteoartrite associada, geralmente, apresentam dor na abdução e na rotação do quadril, às vezes mais do que na flexão e extensão.

Leia a reportagem completa, de forma gratuita, em nossa revista on-line. Acesse já.

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD. 

LEIA TAMBÉM:

Fim da reprodução de braquicefálicos: será, de fato, possível esse marco na Veterinária?

Felinos: Associação americana atualiza diretrizes para cuidados com gatos geriátricos

Médicos-veterinários têm papel fundamental na prevenção de novas pandemias

(Foto: C&G VF)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

chimpanzés vivem em grupo

Para a sobrevivência de chimpanzés, é preciso restaurar ecossistemas

vacina veterinário

Lei permite produção de vacina contra Covid-19 pela indústria veterinária