Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Clínica e Nutrição

Médica-veterinária explica causas e diagnóstico do quilotórax em cães

Por Equipe Cães&Gatos
raio-x cachorro
Por Equipe Cães&Gatos

Tosse improdutiva, além de cianose de língua, distrição respiratória, seja pela taquipneia, dispneia ou movimentos restritivos (respiração mais abdominal), ou ainda, outros sinais, como perda de peso e inapetência, podem ser indicação de que o cão esteja com quilotórax, que consiste no acúmulo de líquido de aspecto quiloso no espaço pleural. Não é uma condição comum em cães e gatos, segundo a médica-veterinária gerente Técnica do Grupo Pet Care, Sibele Konno.

Segundo ela, o quilotórax se forma por meio do extravasamento de quilo do ducto torácico, que pode ocorrer tanto pela sua ruptura quanto pela sua obstrução no trajeto para a veia cava cranial. “Quadros de torção de lobo pulmonar, traumas, doenças fúngicas, neoplasias, cardiopatias e trombos podem levar à formação do quilotórax. Também existe o quilotórax idiopático, onde não encontramos alterações em exames que justifiquem o quadro”.

De acordo com ela, a análise do líquido e exames de imagem são imprescindíveis para direcionar para a doença de base e excluir complicações. “Portanto, exames como hemograma, perfil bioquímico (incluindo colesterol, triglicérides e proteínas e frações), radiografia torácica, ecocardiograma e, até mesmo, tomografia de tórax são necessários. A análise do líquido, inclusive com análise de colesterol e triglicérides, é um dos primeiros e principal indício do quilotórax. O líquido de aspecto esbranquiçado, rico em nutrientes e leucócitos, chama a atenção e é a principal característica da doença”, explica.

O tratamento pode ser conservativo ou cirúrgico, segundo Sibele. “O conservativo é feito realizando a drenagem do líquido pleural e corrigindo ou tratando a causa base quando houver. O uso de nutracêuticos (rutina) – sem comprovação científica – pode ser feito, auxiliando na drenagem linfática. O uso de corticoides pode ser feito no sentido de diminuir a inflamação que o quilo pode causar na pleura. A dieta pobre em lipídeos também auxilia no tratamento”.

Leia a reportagem completa, gratuitamente, em nossa revista on-line. Acesse aqui.

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Seja de qual modalidade for, alimentação de cães e gatos deve ser balanceada

Médica-veterinária conta história de luta e superação contra o câncer de mama

Investigadores da RVC publicam o primeiro livro dedicado a animais braquicefálicos

(Foto: C&G VF)

Compartilhe este artigo agora no