in

Osteodistrofias em filhotes de cães e gatos podem ser causadas pela nutrição desbalanceada

Na fase de crescimento, pets estão mais suscetíveis a desbalanços nutricionais

O período de crescimento de filhotes compreende a fase de maior demanda energética dos animais, com exceção apenas da lactação. Durante essa fase, os cães ficam mais suscetíveis a deficiências, excessos e desbalanços nutricionais, uma vez que estão em pleno desenvolvimento osteoarticular. A essas alterações geradas pela nutrição inadequada dá-se o nome de osteodistrofias (ossos- osteo + mal- dis + nutridos – trophé), que podem ser classificadas como osteopenias, nas quais há insuficiente ingestão de energia ou nutrientes ou osteomegalias, em que ocorre o contrário, com excesso de ingestão dos mesmos. 

Cães de raças grandes e gigantes possuem um período de crescimento prolongado comparado a raças pequenas. Um Dogue Alemão, por exemplo, levará até 24 meses para atingir seu peso corporal adulto. Além disso, por volta dos 3 a 6 meses de idade essas raças apresentam um crescimento mais acelerado, sendo mais susceptíveis às deficiências e excessos nutricionais, principalmente de cálcio, fósforo e vitamina D.

Para entender a fisiopatogenia das osteodistrofias é necessário compreender a regulação dos níveis de cálcio e fósforo no organismo por meio do paratormônio (PTH), 1,25 dihidroxicolecalciferol (calcitriol) e calcitonina. Em casos de ingestão insuficiente de cálcio por um período prolongado, o PTH atuará mobilizando cálcio dos ossos para o fluido extracelular, aumentando a reabsorção renal de cálcio e aumentando a excreção renal de fósforo. Calcitriol, forma ativa da vitamina D, é sintetizado quando ocorre hipocalcemia e estimula a reabsorção óssea, absorção intestinal de cálcio e fósforo e reabsorção renal de cálcio e fósforo. O calcitriol é formado a partir da hidroxilação de vitamina D3, que deve ser obtida por meio da alimentação, visto que cães e gatos não sintetizam vitamina D suficiente a partir da exposição à luz solar. Por fim, a calcitonina atua em casos de hipercalcemia prolongada, diminuindo a ação dos osteoclastos e, consequentemente, a reabsorção óssea e diminuindo a reabsorção renal de fósforo.

De acordo com FEDIAF (2021) a relação entre cálcio e fósforo ideal para cães deve variar entre 1:1 a 1,6:1 durante a fase inicial de crescimento (até 14 semanas de idade). Após essa fase a relação ideal varia de acordo com o peso estimado quando adulto, sendo que para cães cujo peso estimado é de até 15kg o ideal é que se mantenha entre 1:1 a 1,8:1. Já cães com peso adulto estimado de mais de 15kg possuem a relação ideal de 1:1 a 1,6:1 entre 14 semanas e 6 meses de idade e 1:1 a 1,8:1 após esse período. Para gatos a relação recomendada varia entre 1:1 a 1,5:1 durante toda a fase de crescimento. A regulação dos níveis de cálcio e fósforo, quando a relação entre eles é menor ou maior que o ideal, é realizada de forma meticulosa pelo organismo, em vista disso, em muitos casos de osteodistrofias os níveis séricos desses minerais se encontrarão dentro da normalidade. Dessa forma, o diagnóstico se faz necessário a partir da anamnese, avaliação nutricional, radiografia (padrão ouro de diagnóstico) e, em alguns casos, mensuração de PTH, calcitonina ou Vitamina D. 

Leia o artigo completo na edição de maio da C&G VF. O acesso é gratuito, clique aqui.

No fim dessa página, estão as referências utilizadas pelas autoras no artigo.

(Foto C&G VF)

LEIA TAMBÉM:

Profissional comenta importância da atuação de zootecnistas no mercado pet

Conselho Regional de Medicina Veterinária-CE alerta sobre a extinção de animais no Ceará

CRMV-SP promove ciclo de palestras em Responsabilidade Técnica e saúde pública

REFERÊNCIAS:

  1. Case LP, Daristotle L, Hayek MG, Raasch MF. Canine and Feline Nutrition. 3rd ed. Ch. 2 p. 22 Maryland Heights: Mosby Elsevier, 2011
  2. HEMMINGS, Clare. Nutrition for puppies. The Veterinary Nurse, v. 9, n. 9, p. 458-464, 2018.
  3. LAUTEN, Susan D. Nutritional risks to large-breed dogs: from weaning to the geriatric years. Veterinary Clinics: Small Animal Practice, v. 36, n. 6, p. 1345-1359, 2006.
  4. DOBENECKER, Britta. Factors that modify the effect of excess calcium on skeletal development in puppies. British journal of nutrition, v. 106, n. S1, p. S142-S145, 2011.
  5. LAUTEN, Susan D. et al. Influence of dietary calcium and phosphorus content in a fixed ratio on growth and development in Great Danes. American journal of veterinary research, v. 63, n. 7, p. 1036-1047, 2002.
  6. KIEFER‐HECKER, Britta; BAUER, Alexander; DOBENECKER, Britta. Effects of low phosphorus intake on serum calcium, phosphorus, alkaline phosphatase activity and parathyroid hormone in growing dogs. Journal of animal physiology and animal nutrition, v. 102, n. 6, p. 1749-1758, 2018.
  7. NAP, R. C.; HAZEWINKEL, H. A. W. Growth and skeletal development in the dog in relation to nutrition; a review. Veterinary Quarterly, v. 16, n. 1, p. 50-59, 1994.
  8. FEDIAF. Nutrition Guidelines, for complete and Complementary Pet Food for Cats and Dogs. Publication in July, 2021.
  9. CLINE, Jill. Calcium and vitamin d metabolism, deficiency, and excess. Topics in companion animal medicine, v. 27, n. 4, p. 159-164, 2012.
  10. LENOX, Catherine; BECVAROVA, Iveta; ARCHIPOW, Wendy. Metabolic bone disease and central retinal degeneration in a kitten due to nutritional inadequacy of an all-meat raw diet. Journal of Feline Medicine and Surgery Open Reports, v. 1, n. 1, p. 2055116915579682, 2015.
  11. PARKER, Valerie J.; GILOR, Chen; CHEW, Dennis J. Feline hyperparathyroidism: Pathophysiology, diagnosis and treatment of primary and secondary disease. Journal of feline medicine and surgery, v. 17, n. 5, p. 427-439, 2015.
  12. TAYLOR-BROWN, F. E.; BELTRAN, Elsa; CHAN, Daniel L. Secondary nutritional hyperparathyroidism in Bengal cats. Veterinary Record, v. 179, n. 11, p. 287, 2016.
  13. PEDRINELLI, Vivian; DE OS GOMES, Márcia; CARCIOFI, Aulus C. Analysis of recipes of home-prepared diets for dogs and cats published in Portuguese. Journal of nutritional science, v. 6, 2017.
  14. STOCKMAN, Jonathan et al. Evaluation of recipes of home-prepared maintenance diets for dogs. Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 242, n. 11, p. 1500-1505, 2013.
  15. WILSON, Sarah A. et al. Evaluation of the nutritional adequacy of recipes for home-prepared maintenance diets for cats. Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 254, n. 10, p. 1172-1179, 2019.
  16. CARNEIRO, Severiana Cândida Mendonça Cunha et al. Superalimentação e desenvolvimento do esqueleto de cães da raça Dogue Alemão: aspectos clínicos e radiográficos. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 58, p. 511-517, 2006.
  17. DEMKO, Jennifer; MCLAUGHLIN, Ron. Developmental orthopedic disease. Veterinary Clinics: Small Animal Practice, v. 35, n. 5, p. 1111-1135, 2005.
  18. TRYFONIDOU, M. A. et al. Dietary 135-fold cholecalciferol supplementation severely disturbs the endochondral ossification in growing dogs. Domestic animal endocrinology, v. 24, n. 4, p. 265-285, 2003. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

veterinária ucrânia

Veterinária ucraniana decidiu ficar no País e já salvou centenas de cães e gatos feridos

remédio

Biovet lança produto que oferece “força tripla” no alívio dos efeitos de alergias em pets