in

Período de inverno exige cuidados especiais aos animais de companhia

Profissional da Elanco destaca pontos de extrema atenção para manter o bem-estar animal

O inverno não é a época do ano mais fácil, já que as baixas temperaturas e o tempo seco podem afetar a saúde dos animais de companhia. Neste cenário, em específico, tutores devem estar atentos à incidência de doenças respiratórias, oculares, articulares e infecções urinárias.

Segundo a gerente técnica da área de Pet Health da Elanco Saúde Animal, Camila Camalionte, os problemas respiratórios, “normalmente, são causados por vírus ou bactérias e os sintomas são semelhantes aos de qualquer resfriado: tosse, espirros, febre e falta de apetite”, chamados de tosse dos canis ou traqueobronquite infecciosa canina.

Tais doenças podem ser causadas por vírus e bactérias comuns em cães, como por exemplo o vírus da parainfluenza canina, Adenovírus canino tipo 2, Bordetella bronchiseptica, Mycoplasma, entre outros.  Por isso, para a prevenção, recomenda-se seguir o protocolo de vacinação, evitar, na medida do possível, que os pets fiquem em grupos, além de oferecer um local protegido para que o animal possa se abrigar, em especial para aqueles que dormem fora de casa.

Saúde ocular

Além dos problemas respiratórios, as estações mais secas também predispõem a desconfortos relacionados aos olhos dos animais. “Isso ocorre porque há um aumento da evaporação da lágrima nessas condições, o que colabora para o ressecamento dos olhos, deixando-os mais suscetíveis a desconforto ocular, olho vermelho, secreções, prurido ocular e autotraumatismo ocular”, explica a médica-veterinária.

 É importante, portanto, manter a higiene da região dos olhos em dia e, com a orientação do médico-veterinário, utilizar lubrificantes oftálmicos para mantê-los hidratados e protegidos nesses períodos.

Perante as doenças em si, “os quadros se acentuam no período em que as temperaturas caem”. Isso ocorre, pois com o frio, a musculatura se torna mais rígida e a circulação sanguínea e a oxigenação ficam comprometidas, o que gera agravamento nos casos de artrose e artrite.

“Por isso é importante que o tutor fique atento a sinais como dificuldade de locomoção, sensibilidade ao ser palpado ou escovado, dificuldade em encontrar posição para deitar-se e dormir, claudicação e sinais que indiquem dor e desconforto. Sempre procurar seu veterinário de confiança ao notar qualquer alteração no comportamento do animal”, aponta Camila.

A veterinária também alerta sobre a importância de manter uma frequência diária de atividades físicas leves a moderadas, respeitando as orientações do médico-veterinário. É recomendável evitar subidas e terrenos irregulares, monitorar o local de trânsito do animal para evitar quedas, checar se o piso é escorregadio e se certificar que o pet esteja bem acomodado e protegido ao repousar. Com o frio, é comum que animais que ficam nas áreas externas da residência do tutor, procurem se esconder em locais muitas vezes perigosos, aumentando os riscos de acidentes.

Como tratar?

Para lidar com os quadros de dor e inflamação associados à osteoartrite em cães, Camila recomenda o GalliprantTM, medicamento administrado por via oral, uma vez ao dia. “GalliprantTM é o primeiro da classe dos piprants, apresenta um novo e exclusivo modo de ação, é um antagonista seletivo do receptor da prostaglandina E2, o receptor EP4”, ressalta.

O receptor EP4 é o responsável primário por mediar a dor e a inflamação associadas à osteoartrite canina. Foi desenvolvido para levar bem-estar para cães portadores de osteoartrite de uma forma segura e eficaz, preservando a manutenção das funções gastrointestinal, renal e hepática. Sua prescrição é recomendada para curto, médio e longo prazo, sem riscos conhecidos para a saúde do animal.

Para os gatos, a sugestão é o OnsiorTM Gatos que auxilia os tutores no tratamento e alívio da dor e da inflamação relacionadas à osteoartrite, associadas às cirurgias de tecidos moles e cirurgias ortopédicas.

Infecções urinárias

Também entre as enfermidades mais comuns no inverno, as infecções urinárias ocorrem, pois os animais diminuem muito a ingestão de água, se movimentam menos e acabam por reter urina, o que acarreta problemas no trato urinário inferior, predispondo, por exemplo, a infecções bacterianas de urina. “Gatos com alterações do trato urinário inferior podem apresentar dor e dificuldade ao urinar, além de mudança de comportamento de micção”, alerta Camila.

Nesta situação, a profissional destaca que é ideal estimular o pet a consumir água ou fornecer alimentos úmidos, como sachês, para aumentar a ingestão hídrica e levar o animal ao veterinário imediatamente ao notar qualquer mudança no comportamento.

“Antibióticos como Baytril® e Veraflox® são recomendados para o tratamento de infecções urinárias. Lembramos que o tratamento adequado deverá ser recomendado pelo médico-veterinário que acompanha o animal”, afirma.

Para ela, “é nosso compromisso possibilitar que esses animais tenham cada vez mais saúde, vivendo uma vida plena ao lado de seus tutores. Este é um dos principais compromissos da Elanco e por isso a companhia investe constantemente em novas soluções ou no aprimoramento das soluções já existentes em seu portfólio”.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Fim da reprodução de braquicefálicos: será, de fato, possível esse marco na Veterinária?

Felinos: Associação americana atualiza diretrizes para cuidados com gatos geriátricos

Médicos-veterinários têm papel fundamental na prevenção de novas pandemias

cuidados pets no inverno
(Foto: reprodução)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Médica-veterinária fala sobre alguns pontos da alimentação natural crua

1º centro de castração gratuita entrará em funcionamento na zona sul de SP