in

Plataforma tecnológica de terapias por células-tronco é adquirida pela Ourofino Saúde Animal

Regenera é a primeira startup a obter o registro no MAPA para comercialização dessa terapia

A Ourofino Saúde Animal anuncia a aquisição da startup de biotecnologia Regenera, sediada em Campinas (SP) e que atua no segmento de pets e equinos. Detentora de patente no Brasil, Austrália e Estados Unidos, a empresa adquirida desenvolveu terapia com células-tronco para o tratamento de doenças importantes, como a osteoartrite. É a primeira do Brasil a obter o registro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para vender o produto.

O tratamento com células-tronco passou a ser regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) em outubro do ano passado. Representa um marco em terapias inovadoras, proporcionando maior qualidade de vida ao animal. Em conexão com a tendência mundial de humanização dos pets, o Brasil saiu na frente com essa regulamentação.

Com esse movimento de M&A, a Ourofino Saúde Animal amplia seu acesso ao mercado de biotecnologia e se mantém em linha com o seu objetivo estratégico de aumentar a presença em mercados adjacentes com alto potencial de crescimento. A empresa também demonstra a vocação de situar-se na vanguarda da inovação tecnológica e diferenciação na competição com os grandes players internacionais.

“O Brasil saiu na frente de muitos países ao regulamentar a terapia por células troncos”, compartilha o CEO da Ourofino Saúde Animal, Kleber Gomes
(Foto: divulgação)

A startup foi fundada em 2012. Desde então, desenvolveu o Canistem, produto inovador à base de células-tronco para o tratamento de osteoartrites, para sequelas neurológicas da cinomose e para ceratoconjuntivite seca em cães. Em equinos, o Equistem trata lesões de tendões e ligamentos, doenças osteoartirculares e fraturas ósseas.

A tecnologia que a Ourofino disponibilizará em todo o Brasil é desenvolvida com células-tronco mesenquimais e promove maior qualidade de vida e bem-estar em animais acometidos por essas enfermidades. A tecnologia também é uma plataforma que permite à empresa ampliar a indicação para outros animais e outras doenças no futuro.

O CEO da Ourofino Saúde Animal, Kleber Gomes, explica que a terapia com células-tronco é uma opção inovadora para médicos-veterinários e tutores. “O Brasil saiu na frente de muitos países ao regulamentar a terapia por células troncos e nós estamos muito felizes com a aquisição da Regenera, pelo nosso pioneirismo e por gerar ainda mais valor aos clientes, com uma plataforma biotecnológica que proporciona qualidade, bem-estar e longevidade aos nossos pets. Nosso time conduziu pesquisas a campo, e os resultados são excelentes. É um mercado novo, com potencial significativo, e seremos protagonistas”, afirma.

Vale ressaltar que, na pandemia, o Brasil passou o Reino Unido no ranking mundial de população pet e agora detém o segundo lugar, atrás apenas dos Estados Unidos (dados da Euromonitor International).

A Regenera tinha como investidores Claudio Luiz Lottenberg, presidente do conselho da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein; Henrique Loyola, ex-sócio da XP; Dirceu Barbano, que foi presidente da Anvisa; e o executivo da área farmacêutica Nelson Libbos.

Com a aquisição da Regenera, a Ourofino explorará todo o potencial da tecnologia no segmento veterinário, enquanto os antigos acionistas seguirão desenvolvendo a tecnologia para exploração de terapias em humanos, por meio de licenciamento não oneroso.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Veterinária negra narra episódio de racismo e como recebeu auxílio do Afrovet

Profissionais da Medicina Veterinária não podem oferecer promoções de Black Friday

Veterinários e varejo pet aceleram utilização de ferramentas digitais para atingir clientes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

veterinário nas redes sociais

Veterinários devem lembrar que mundo apresentado nas redes sociais nem sempre é real

pug

Veterinária ressalta que pets com síndrome braquicefálica devem receber cuidados especiais