Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Programa de Fauna exigido pelo Ibama auxilia na conservação de espécies ameaçadas

Por Equipe Cães&Gatos
ibama
Por Equipe Cães&Gatos

O Programa de Monitoramento de Mamíferos exigido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no licenciamento ambiental da Usina Hidroelétrica (UHE) Serra do Facão, na divisa de Minas Gerais e Goiás, apontou a existência de 32 espécies de médio e grande porte na Área de Preservação Permanente (APP) mantida pelo empreendimento. Dez dessas espécies estão classificadas como ameaçadas de extinção. 

Uma série de medidas vem sendo adotada para contribuir com a regeneração e a manutenção dos fragmentos florestais contidos na APP, que possui cerca de 12 mil hectares. Tais iniciativas têm criado condições favoráveis à permanência de espécies da fauna nativa da região. 

ibama 2
Existência de 32 espécies de médio e grande porte na Área de Preservação Permanente (APP) mantida pelo empreendimento. Dez dessas espécies estão classificadas como ameaçadas de extinção (Foto: Ibama)

Ações como o cercamento da área de preservação dificultam a entrada de animais domésticos ou de criação e, ainda, o avanço de construções paralelas ao lago da represa. Uma outra medida importante para o sucesso da conservação da fauna e da flora no entorno da UHE foi o Programa de Educação Ambiental – que trabalha, por meio de ações como reuniões e oficinas, a conscientização da população da área de influência da usina sobre a importância da preservação da biodiversidade e do ecossistema. 

A coleta de dados teve início antes da supressão de vegetação para implantação da UHE e seguiu até as fases de enchimento do reservatório e de recomposição da APP. Os dados facilitaram a compreensão das condições dos animais na área protegida. 

As espécies veado-campeiro (Ozotoceros bezoarticus); lobo-guará (Chrysocyon brachyurus); raposa-do-campo (Lycalopex vetulus); gato-mourisco (Herpailurus yagouaroundi); gato-do-mato-do-sul (Leopardus tigrinus); gato-maracajá (Leopardus wiedii); onça-parda (Puma concolor); anta (Tapirus terrestris); tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) e tatu-canastra (Priodontes maximus) – classificadas como ameaçadas – representam 31,25% do total das espécies registradas na área de estudo. As amostragens – feitas nos pontos escolhidos para coletas de dados – evidenciam a importância dos fragmentos florestais adquiridos no entorno do empreendimento para conservação de fauna. 

Fonte: Ibama, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Tutores devem procurar veterinário de confiança para vacinar seus animais

Docentes se reúnem para levar conhecimento da Veterinária Canabinoide para dentro das Universidades

Cães e gatos precisam de manejo nutricional adequado para cada fase e condições de saúde

NewsLetter

Cadastre-se agora e receba nossos boletins e atualizações em seu email. 

Integração
Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!