in

Projeto “CRMV-SP Escuta” reúne profissionais e autoridades de Araras (SP) e região

Evento é o primeiro de uma série que pretende levar o Conselho a outras cidades paulistas

Buscando cada vez mais a aproximação com as classes médica-veterinária e zootécnica, com a sociedade e os gestores públicos locais, o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo realizou a primeira edição do projeto CRMV-SP Escuta. O evento aconteceu no auditório da Associação Comercial e Industrial de Araras e contou com a presença de cerca de 36 profissionais e autoridades da região.

A programação começou com reunião, à tarde, entre a diretoria e os membros das comissões de Entidades Regionais do Estado de São Paulo, de Políticas Públicas, de Representantes Regionais e de Fiscalização do CRMV-SP com os representantes da Associação de Médicos-veterinários de Araras e Região (Amvar) e da Federação das Entidades Veterinárias Regionais do Estado de São Paulo (Feveresp).

A partir das 19h, o encontro foi aberto às autoridades e aos profissionais de Araras e região, e contou com a presença dos coordenadores jurídico e técnico médico-veterinário do CRMV-SP. A intenção é de que esses encontros sejam realizados periodicamente em diferentes cidades do Estado, com apresentações e debates sobre as demandas locais.

“A proposta de nossa gestão é a aproximação das classes com a sociedade e também a intensificação do trabalho com a classe política, em especial junto às bases, pois todos são atores sociais importantes. Quanto mais conseguirmos levar a informação sobre a importância de médicos-veterinários e zootecnistas para sociedade, melhor será para a saúde pública, para a saúde animal e para a proteção do meio-ambiente”, enfatizou o presidente do CRMV-SP, Odemilson Donizete Mossero.

Orientação e fortalecimento

Para o presidente da Amvar, Valmir Basílio Nascimento, é de extrema importância esse tipo de evento, em que o órgão regulador orienta os profissionais sobre suas atribuições, estratégias e ações em prol das classes, alinhando as questões éticas e regulamentações que são de responsabilidade dos profissionais da área.

Já o presidente da Feveresp, Marcio Mota, vê nessa aproximação uma grande sinergia para a evolução da Medicina Veterinária no estado de São Paulo. “Precisamos de entidades fortes, que sejam capazes de promover as mudanças necessárias frente à classe política e à sociedade, promovendo um novo modelo de associativismo, mais moderno, com agilidade e transparência, unindo autarquias, entidades, indústria, empresas e profissionais”, afirmou.

“Queremos que o médico-veterinário e o zootecnista participem cada vez mais de tudo que abarca as profissões” (Foto: divulgação)

Interligação e envolvimento

Ouvir os anseios de determinada região, segundo o médico-veterinário e representante regional do CRMV-SP em Araras (Campinas II), Paulo Côrte Neto, é uma das propostas da nova gestão, visando aproximar lideranças regionais, associações e a Feveresp. “A hora que interligamos representantes falando a mesma língua, correndo atrás dos mesmos objetivos, buscando levar essas demandas para o Conselho, a ideia é realmente trazer mudanças e uma nova era da Medicina Veterinária e da Zootecnia”, compartilhou.

“Queremos que o médico-veterinário e o zootecnista participem cada vez mais de tudo que abarca as profissões. Digo sempre que nossos profissionais são muito bons tecnicamente, mas precisamos também nos envolver mais no cenário político, pois é por ali que passam temas maiores que refletem de uma forma muito incisiva em nossas profissões, na saúde animal e na saúde pública”, ressaltou Mossero.

Canal aberto

O presidente da Associação Brasileira dos Hospitais Veterinários (ABHV), João Abel Buck, acredita que a relevância desse tipo de evento passa pelo intercâmbio de informações entre as associações regionais, que trazem as demandas e necessidades de suas regiões e, a partir desse movimento de individualização dos encontros, cria-se um canal direto de comunicação com o Conselho.

“As associações regionais têm a função primordial no elo entre os médicos-veterinários e o órgão que nos rege. E num universo de comunicação tão instantânea e cheia de ruídos, esse encurtamento na comunicação é fundamental para gerar confiança e melhoria da categoria”, enfatiza Buck.

Para o presidente do Sindicato dos Médicos-veterinários do Estado de São Paulo (Sindimvet), Robson Leporo, é de suma importância a aproximação do Conselho com médicos-veterinários e zootecnistas de Araras e região, assim como com as entidades de representatividade regional para ouvir, entender e melhorar sempre essa interação.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Dia de Combate: câncer de próstata atinge cães e gatos de meia idade a idosos

Profissionais da Medicina Veterinária não podem oferecer promoções de Black Friday

Veterinários e varejo pet aceleram utilização de ferramentas digitais para atingir clientes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

médico negro

“Profissionais negros devem ser reconhecidos em suas áreas”, diz fundador do Afrovet

apetite

Médico-veterinário destaca quatro dicas para o pet não enjoar do alimento