Cães e gatos logo

Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Quais os mitos sobre a alimentação úmida para gatos?

Veterinária desmistifica o uso dos sachês, que são alimentos completos e não petiscos
Por Equipe Cães&Gatos
sachê
Por Equipe Cães&Gatos

O cuidado com o bem-estar dos pets é uma preocupação constante dos tutores na atenção primária à saúde dos animais e a parte mais importante nessa responsabilidade é a alimentação. 

No caso dos gatos, o consumo de alimentos úmidos é uma opção que vem ganhando cada vez mais adeptos e ficando mais popular entre os gateiros. Se no passado esse tipo de alimento era visto com certa desconfiança, hoje é muito bem recomendado, vendo os benefícios do consumo diário desse alimento para os felinos. 

Mas alguns mitos ainda fazem com que os tutores de gatos não conheçam todos os benefícios do alimento úmido. Para esclarecer essas dúvidas, a médica-veterinária PhD em Nutrição Animal e embaixadora da Mars Petcare, Manuela Fischer, listou alguns dos principais mitos a respeito dos alimentos úmidos para gatos. 

‘Alimentos úmidos têm mais sódio’: um dos maiores medos dos tutores é que seus pets fiquem desidratados com o consumo dos sachês. Manuela esclarece que a alimentação úmida é um ótimo aliado na hidratação dos felinos, já que contém cerca de 70% de água em sua composição. “Ao contrário do que se pensa, a ingestão desses alimentos auxilia na prevenção de problemas do trato urinário, sendo um importante aliado à manutenção da saúde”, complementa.

A alimentação úmida é um ótimo aliado na hidratação dos felinos, já que contém cerca de 70% de água em sua composição (Foto: reprodução)

Sachês para gatos engordam’: outro mito, já que sua composição tem alta concentração de proteína e baixa ou moderada concentração de gordura. Enquanto alguns alimentos secos podem chegar a apresentar cerca de 350Kcal por 100 gramas, os alimentos úmidos apresentam cerca de 80Kcal por 100 gramas. O alimento seco, não balanceado, contém baixa umidade e alta densidade calórica, e se mal administrado, pode predispor os animais à formação de cálculos urinários e ao ganho de peso descontrolado.   

‘Não pode ser consumido por gatos com diabetes’: muito pelo contrário, a sua qualidade nutricional e a composição de nutrientes melhoram os índices glicêmicos. O que, segundo a veterinária, é uma interessante indicação de uso para os pets diabéticos ou com fatores de resistência insulínica já ocorrentes.  

‘Alimentos úmidos causam diarreia’: este é um mito comum, mas não há evidências científicas para apoiá-lo. A fibra solúvel está em maior quantidade no alimento úmido e quando utilizada de maneira intensa e não gradativa, pode provocar amolecimento das fezes. O que causa a diarreia, portanto, é a inclusão não gradual de alimento úmido na dieta dos animais. “A recomendação é que a substituição parcial deve levar em torno de duas semanas e a substituição total do alimento seco pelo úmido, no mínimo um mês”, acrescenta.

‘Alimentos úmidos são petiscos’: esses alimentos foram considerados durante muitos anos como petiscos por veterinários e tutores, mas o crescente interesse pelos sachês no Brasil vem desmistificando esse conceito, e a indicação como alimento completo e balanceado tem sido mais frequente. 

Por fim, oferecer alimentos úmidos para o seu gato pode tornar a alimentação dele mais prazerosa e satisfatória, o que contribui para uma vida mais feliz e saudável.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães e Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Quais as funções atribuídas a um zootecnista?

Como transportar o pet de forma segura dentro de um carro?

Indústria pet deve faturar R$ 46,4 bilhões em 2023

Compartilhe este artigo agora no