Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Pets e Curiosidades

Repelentes contra a dengue são tóxicos para pets? 

Veterinária alerta sobre os sinais de intoxicação e sobre a importância da busca imediata por atendimento
Por Equipe Cães&Gatos
foto-cao
Por Equipe Cães&Gatos

Dentre as medidas primordiais para evitar a dengue, destaca-se o emprego de repelentes. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), os mais recomendados para prevenir a picada do Aedes aegypti, vetor da enfermidade, são os produtos elaborados com icaridina e DEET. Contudo, surge a questão sobre sua toxicidade para os animais de estimação. 

A médica-veterinária Paloma Caleiro, da equipe do pronto-socorro do Veros Hospital Veterinário, explica que os repelentes utilizados pelos humanos para se protegerem da dengue podem ser, sim, tóxicos aos animais de estimação. “Temos diversas apresentações no mercado, como sprays, cremes e aerossóis de uso ambiente, e todos podem levar a um quadro de intoxicação”, afirma. 

Segundo veterinária, animais tendem a lamber produtos, assim como os bebês tendem a colocar tudo na boca (Foto: reprodução)

Segundo a profissional, essa intoxicação pode ocorrer por meio da ingestão acidental desses produtos pelos pets. “Animais tendem a lamber produtos, assim como os bebês tendem a colocar tudo na boca”, exemplifica. Por isso, a melhor forma de proteger os animais dos repelentes é mantê-los fora do alcance deles.

Também não é recomendado passar repelentes para humanos em creme ou spray nos animais, pois eles também podem lambê-los e ingeri-los acidentalmente. 

No caso dos repelentes aerossóis, a orientação é retirar os pets do ambiente por alguns minutos. “Eles têm o olfato muito mais sensível do que o nosso e a inalação deste produto pode causar, além de intoxicação, irritação da parte respiratória”, alerta a veterinária. 

Sinais de intoxicação por repelente nos pets 

Os sintomas mais comuns de intoxicação por ingestão de repelentes incluem vômitos, salivação, tremores e diarreia. Em casos mais graves, pode ocorrer fraqueza, convulsões e perda da consciência. Já quando a intoxicação acontece pela via inalatória, pode ocorrer tosse e espirros incessantes, dificuldade respiratória e língua arroxeada ou mais escura. 

“Lembrando que, em qualquer desses sinais, não se deve medicar o animal em casa, nem dar alimentos, sucos ou leite. A indicação é buscar atendimento emergencial veterinário pois cada segundo conta para salvar a vida do pet e qualquer medicação ou alimento dado a mais pode interferir negativamente no trabalho do veterinário”, orienta Paloma.  

Tutor não deve medicar o animal em casa, nem dar alimentos, sucos ou leite em sinais de intoxicação (Foto: reprodução)

Como proteger os pets do Aedes aegypti?

Os animais, como cães e gatos, não contraem dengue, mas podem pegar dirofilariose, uma doença também transmitida pelo Aedes aegypti. Para protegê-los da picada do mosquito, é importante utilizar repelentes próprios para o uso veterinário. 

“Eles estão disponíveis nas formas de coleiras repelentes, sprays, pipetas, odorizadores de ambiente (de citronela, por exemplo) principalmente quando vão estar em locais com alta probabilidade de contato com esses vetores”, explica a veterinária.

As coleiras e as pipetas podem ser compradas com orientação do médico-veterinário. A primeira opção costuma ter uma vida útil de dois a quatro meses, enquanto a aplicação tópica pela pipeta deve ser reforçada a cada 30 dias. “O uso em ambiente de odorizadores e repelentes de ambiente devem sempre respeitar as indicações de uso e proteção para animais e crianças visando evitar intoxicações”, alerta Paloma.

Fonte: Veros Hospital Veterinário, adaptado pela equipe Cães e Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Bicho geográfico vem de importante verme intestinal que acomete os pets

Tinder e Instituto Caramelo unem forças em nova iniciativa de adoção

Laserterapia promove rápida recuperação de cães e gatos