in

Veterinária indica cuidados preventivos para problemas respiratórios nos pets

Casos se tornam comum com a chegada do inverno, que terá início no dia 21 de julho

Assim como para os humanos, a chegada do inverno também pode apresentar problemas de saúde aos animais de companhia. Neste cenário, para o bem dos pets, médica-veterinária destaca cuidados preventivos. Estação tem início no dia 21 de junho.

De acordo com Kathia Almeida Soares, médica-veterinária e coordenadora técnica na MSD Saúde Animal, a melhor solução para as doenças respiratórias, comuns nesse período do ano, é a prevenção, incluindo visitas periódicas à clínica veterinária e a carteira de vacinação dos pets em dia.

“As doenças respiratórias podem afetar cães e gatos durante o ano todo, mas podem ocorrer com maior frequência no inverno, principalmente por causa do tempo seco associado a um ambiente fechado e sem ventilação”, relembra a profissional.

Inverno aumenta o risco de problemas respiratórios nos pets (Foto: reprodução)

Atenção: gripe!

Como explica Kathia, os vírus e as bactérias podem causar problemas respiratórios tanto em cães quanto em gatos. Esses microrganismos são transmitidos quando um cachorro saudável tem contato com um cachorro infectado, por exemplo, por meio da secreção nasal, ou quando o contato acontece por objetos e locais contaminados, como bebedouros, comedouros e brinquedos.

Nestes casos, os principais sintomas são espirros, secreção nasal, tosse, secreção ocular, apatia, febre e perda de peso. No entanto, ela atenta que embora alguns sintomas possam não parecer sérios para o tutor, não devem ser subestimados. “Muitos deles podem evoluir para quadros mais graves, como uma pneumonia ou podemos estar diante de agentes mais perigosos como o vírus da cinomose canina, que pode passar de alterações respiratórias para complicações neurológicas, podendo ocorrer inclusive o óbito”, alerta a médica-veterinária.

Ainda segundo ela, caso o tutor note qualquer alteração na saúde do animal, é muito importante levá-lo ao médico-veterinário, pois somente ele poderá chegar ao diagnóstico e estabelecer a melhor conduta para o tratamento do animal.

Tutor atento, cão saudável

A coordenadora técnica na MSD Saúde Animal também relembra que existem vacinas disponíveis no mercado que ajudam a proteger os cães e gatos contra muito dos agentes associados aos quadros respiratórios, sendo importante mantê-las atualizadas. Além disso, é essencial sempre manter o local que o animal vive higienizado e ventilado, pois assim, evita-se a transmissão.

Fonte: A.I, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Medicina Veterinária Militar possibilita crescimento pessoal e profissional

Número de animais doadores de sangue está abaixo do necessário para suprir demanda

Pesquisa: CRMV-SP visa identificar a destinação de resíduos na criação e atendimento animal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Dieta para vira-latas também deve levar em consideração prescrições veterinárias

Jovem do DF cria projeto social para cuidar de animais em situação de abandono