in

Veterinário traz dicas de como cuidar da alimentação dos pets no pós-quarentena

Tutores devem manter a rotina alimentar do animal e estimular brincadeiras

Com a pandemia de coronavírus e o período de isolamento social, as pessoas mudaram seus hábitos e tiveram que se adaptar a uma nova realidade e, por consequência, seus pets também. Com a expansão do home office, a relação entre humanos e animais ficou ainda mais próxima.

Agora, com o avanço da vacinação e a retomada gradual das atividades, a rotina se altera novamente e os tutores precisam redobrar a atenção com um assunto que impacta diretamente na saúde e bem-estar do animal: a alimentação.

“Primeiramente, é importante ressaltar que não é aconselhável trocar a alimentação dos animais em situações de estresse e mudanças de rotina”, destaca o mestre em Nutrição de Cães e Gatos e supervisor de Capacitação Técnico-Científica da PremieRpet, Flavio Silva. Portanto, manter o alimento habitual é sempre a melhor conduta, exceto se houver outra indicação do médico-veterinário do animal.

Uma boa ideia é espalhar os grãos pela casa, escondendo-os em objetos ou brinquedos (Foto: reprodução)

Silva dá algumas dicas importantes para garantir a saúde alimentar do pet nessa fase:

1.  Atenção à quantidade de alimento

A quantidade ideal varia de acordo com o peso, idade, nível de atividade física do pet e quantidade de energia disponível no alimento. No verso da embalagem está a orientação de consumo diário. É muito importante seguir a recomendação e fornecer a quantidade ideal de alimento, além de água fresca e limpa para o período em que o pet ficará sem supervisão. Uma boa ideia é espalhar os grãos pela casa, escondendo-os em objetos ou brinquedos, estimulando o pet a procurar pelo alimento.

2.  Não compense a ausência com petiscos em excesso

Tutores devem estar muito alertas para não compensar a sua ausência durante o dia com petiscos em excesso. Isso pode fazer com que os pets ganhem peso rapidamente, o que é um risco porque favorece o desenvolvimento de problemas de saúde. A regra é: não ultrapassar 10% das calorias diárias com petiscos. Seguindo este cuidado, os animais continuarão saudáveis.

3.  Aposte no enriquecimento ambiental

Pets podem se entediar facilmente ao ficarem sozinhos por muitas horas. Por isso, a dica é investir no enriquecimento ambiental. Atualmente existem diversas opções de brinquedos que estimulam a movimentação, a atenção e o gasto energético dentro de casa. Além dos brinquedos, é importante reservar um período do dia para interagir com os pets, estreitando o vínculo com eles.

4.  Busque ajuda sempre que necessário

Se observar mudanças no comportamento do pet, tais como alterações severas de apetite, latidos em excesso quando fica sozinho, comportamento destrutivo, automutilação, agressividade, entre outros, não deixe de procurar a orientação de um especialista em comportamento. A saúde mental é tão importante quanto a saúde física e ambas estão diretamente relacionadas.

E lembre-se: nunca abra mão do acompanhamento veterinário regular e de fornecer um alimento de alta qualidade para o seu pet.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Tumores de mama em gatas se apresentam de forma mais agressiva que nas cadelas

Novo concurso da Polícia Civil conta com vagas para médicos-veterinários

Prof. Aulus Carciofi comanda simpósio sobre nutrição clínica de cães e gatos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

injeção anti cio

“Injeção anti cio” traz prejuízos à saúde das cadelas e gatas a curto e longo prazo

bolsa de estudos WVA

Estudantes brasileiros ganham bolsa de estudos da Associação Mundial Veterinária