in

Como tutores podem fazer da hora do banho do pet um momento feliz?

Veterinária dá dicas sobre qual a melhor maneira de banhar um animal em casa

A tarefa de dar banho no animal de estimação pode parecer simples, mas envolve alguns cuidados. Principalmente se o pet for um gato! Quem não dá a devida atenção a esses detalhes pode deixar o animal traumatizado e até provocar doenças.

A frequência e o local do banho vão depender de algumas características do animal e do ambiente em que vive, como tipo de pelagem, raça, o quanto se suja e como está a sua saúde. Há ainda outras variantes a serem observadas, como temperatura da água, tipo de shampoo e a secagem dos pelos.

A médica-veterinária, especializada em dermatologia e atuante no Hospital Veterinário Taquaral (Campinas-SP), Fabiana Vitale, relaciona algumas orientações importantes para a higienização, tanto de cães, quanto de gatos.

A recomendação da profissional é utilizar shampoos e sabonetes indicados para pets (Foto: reprodução)


Todo pet precisa de banho?

Todas as raças de cães podem tomar banhos. A necessidade varia conforme o estado geral de saúde da pele e pelos: se há condições de enfermidades como infecções, seborreia, sarna, infecções fúngicas e quadros alérgicos que exijam banhos com uma frequência maior. “Se o animal fica dentro ou fora de casa, por exemplo, se tem contato com piscina ou áreas alagadiças/úmidas (lagos, rios), o comprimento do pelo e o grau de sujeira da pelagem. Essas condições de hábitos de vida e de doenças da pele é que determinam a necessidade maior ou menor de banhos”, explica.

Segundo ela, gatos não precisam de banho, sendo indicado apenas para raças especiais como o Sphynx (gato sem pelo), que possui produção de gordura na pele mais acentuada, exigindo maior frequência de banhos (semanal ou quinzenal) com shampoos específicos para controlar a produção de gordura. “Os felinos não toleram o cheiro dos produtos. Por isso, aumentam a lambedura do pelo e consequente a sua maior ingestão, elevando a chance de obstrução por tricobezoares (bolas de pelos) no sistema digestivo”, alerta.

De modo geral a recomendação para gatos é não dar banho, a não ser que haja uma necessidade médica específica (tratamento de alguma enfermidade da pele). “No entanto, se o tutor faz questão de banhar o gato, a melhor recomendação é que essa rotina se inicie quando ainda jovem/filhote para ele se acostumar desde cedo. Caso contrário, iniciar com o animal já adulto, que não sai de casa e que nunca foi a um pet shop, o banho pode ser bastante desconfortável e traumático para o felino”, ensina.

Sobre uma frequência ideal, a veterinária diz que depende: “Qual a necessidade do paciente? Há enfermidades da pele? Qual o hábito de vida do paciente? Qual o tipo de pelagem que o animal possui?”, indaga e afirma que animais de raças nórdicas, como Spitz Alemão, Chow Chow, Samoieda, Husky Siberiano e Malamute do Alaska podem tomar banhos a cada um ou dois meses. Porém, se eu tiver um Shih Tzu com dermatite atópica (doença alérgica), vai precisar de um a dois banhos por semana, com shampoos específicos”, adiciona.


Pode ser em casa mesmo?

A veterinária declara que, no caso dos cães, o banho pode ser em casa. E se o felino for colaborativo, sem problemas ser em casa também. “A única orientação é que os animais de pelos longos devem ser secados corretamente para evitar infecções da pele e para isso pode ser necessário o uso de secador”, salienta.

O melhor local é onde o pet se sente seguro e não corre o risco de cair ou prender uma pata e se machucar. É necessário lembrar que nem todo cão gosta de tomar banho e muitos deles vão fazer de tudo para fugir. “A temperatura ideal é morna ou temperatura ambiente, a depender do clima (no verão pode ser feita com a temperatura que sai da torneira). Se ao colocar o nosso pulso na água e a sensação é a de que não queima, essa é a temperatura ideal (como em banho de bebês)”, indica.

A recomendação da profissional é utilizar shampoos e sabonetes indicados para pets. “Não se recomenda usar produtos da linha humana. A pele do cão e do gato tende a ter um pH mais ácido e a pele dos seres humanos possui o pH mais alcalino. Se usamos sabonetes humanos para cães aumenta a chance de ressecamento, coceira e descamação (caspas). Não se recomenda o uso de perfumes, pois pode aumentar a coceira em pets alérgicos, por exemplo. O ideal é conversar com o médico-veterinário do seu pet para entender a necessidade específica do seu pet”, finaliza.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Adestramento de animais é uma das funções empregadas aos zootecnistas

Oftalmologista precisa de conhecimento e empatia em casos de perda de visão dos pets

Sistema CFMV/CRMVs lança campanha “Zootecnista é gente que faz acontecer”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

adestramento animal

Adestramento de animais é uma das funções empregadas aos zootecnistas

ABZ homenageia profissionais zootecnistas por sua essencialidade