in

Governo sueco deseja realizar uma matança na população de lobos, que cresce a cada ano

Decisão, que pode violar a lei de biodiversidade da União Europeia, é devido ao aumento de “conflito” entre lobos e humanos

O governo da Suécia disse que pretende realizar uma matança significativa de lobos este ano, potencialmente reduzindo a população atual de cerca de 400 animais pela metade, em um movimento que pode violar as diretrizes da União Europeia.

“Vemos que a população de lobos está crescendo a cada ano e, com essas mortes, queremos garantir que possamos atingir a meta estabelecida pelo parlamento”, disse a ministra sueca de assuntos rurais, à emissora pública SVT, Anna-Caren Sätherberg.

“Podemos ver que o nível de conflito aumentou e que o nível de aceitação caiu”, disse Anna-Caren, acrescentando que o governo pediu à agência estadual de proteção ambiental que analise novamente o tamanho certo para a população.

A agência havia estimado, anteriormente, que o número de lobos na Suécia não deveria cair abaixo de cerca de 300, reforçado regularmente por novas chegadas de fora do País, para que a população permanecesse viável e não fosse enfraquecida pela consanguinidade.

A maioria no parlamento sueco é a favor de reduzir a população de lobos para 170 indivíduos, na parte inferior da faixa de 170 a 270 que permitiria ao País atender aos requisitos de conservação da diretiva de espécies e habitats da UE.

A maioria no parlamento sueco é a favor de reduzir a população de lobos para 170 indivíduos (Foto: reprodução)

O número de lobos caiu na Suécia depois que uma lei de 1789 permitiu que os plebeus caçassem, dizimando as populações de veados e alces, levando os lobos a atacar mais o gado. Eles haviam desaparecido do sul em meados de 1800 e acreditava-se que estavam extintos um século depois. Na década de 1980, no entanto, três lobos da população russo-finlandesa migraram para o sul da Suécia, fundando uma nova população sueco-norueguesa agora estimada em cerca de 480 animais em cerca de 40 matilhas, a grande maioria deles no centro da Suécia.

Anna-Caren não disse o quão grande ela acha que a população de lobos deveria ser, mas acrescentou que, embora a Suécia deva cumprir suas obrigações da UE na proteção de espécies ameaçadas, ela também apoiou pessoas “que vivem onde os lobos estão, que sentem ansiedade social e aqueles que têm gado e foram afetados”.

Grupos de conservação disseram que uma população de 300 lobos é o mínimo e argumentam que o habitat da Suécia poderia facilmente sustentar uma população de 1.000. Eles acusam o governo de se curvar ao poderoso lobby de caça do País, que argumenta que os lobos atacam os alces e são um perigo para os cães dos caçadores.

O especialista em animais selvagens do WWF, Benny Gäfwert, disse que a organização se opõe a uma grande matança e que o número de 170 do parlamento “não se baseia em nenhum fato científico”. “Coisas imprevistas podem acontecer em populações selvagens e um nível de 170 é muito baixo”, disse ele à SVT. “Temos um problema quando se trata da genética dos lobos, e quanto menor a população de lobos, maior o impacto das flutuações no status genético”, adicionou.

A deputada verde, Maria Gardfjell, alertou que reduzir a população para 170 seria ilegal. “Isso violaria a legislação da UE sobre biodiversidade e poderia levar a Suécia a ser levada a tribunal pela UE”, disse ela à rádio sueca.

Fonte: ANDA, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Orgulho LGBTQIA+: Veterinário destaca experiências positivas dentro e fora da profissão

CFMV apoia a criação do Dia Nacional da Saúde Única diante do Senado Federal

De olho no mercado chileno, setor pet brasileiro prevê novas exportações em 2022

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

médico-veterinário

PremieRpet patrocina o Congresso Medvep 2022, que ocorre em Bento Gonçalves (RS)

nova fábrica PremieRpet

PremieRpet comemora 25 anos e inaugura sua 4ª fábrica focada em produtos naturais para os pets