Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Inovação e Mercado

Investigadores utilizam realidade virtual em estudo para prevenir mordidas de cães

Por Equipe Cães&Gatos
realidade virtual
Por Equipe Cães&Gatos

Um projeto piloto promovido pela Universidade de Liverpool está utilizando um labrador em realidade virtual, conhecido como Dog Assisted Virtual Environment (DAVE), para explorar como os humanos reconhecem e interpretam sinais de agressão dos cães.

Segundo explicado em comunicado, a taxa de entrada em hospitais de adultos devido a mordidas caninas triplicou na Inglaterra, entre 1998 e 2018, sendo que o objetivo do estudo é ajudar a perceber as interações comportamentais entre humanos e animais. “As mordidas de cães são um problema comum de Saúde Pública que afeta as relações entre humanos e cães. Estudar o comportamento humano em torno de um cão que pratica comportamentos agressivos é, eticamente, difícil, por conta do risco para a pessoa, mas, também, não queremos estar deliberadamente deixando os cães como vilões. Um cão virtual resolve esses problemas”, explica a investigadora Carri Westgarth.

Os investigadores recrutaram 16 adultos para um estudo piloto prático para explorar uma sala de estar interior virtual com o modelo de cão de realidade virtual alocado no canto oposto da sala.

A equipe perguntou aos participantes se reconheciam e compreendiam os sinais de comportamentos agressivos exibidos pelo cão virtual, incluindo lamber os lábios, bocejar, levantar as patas dianteiras, recuar, ladrar, rosnar e mostrar os dentes. Estes comportamentos são referenciados a partir da “Canine Ladder of Aggression”, que mostra como um cão pode comportar-se quando está desconfortável e não quer ser abordado. 

Os investigadores também avaliaram a proximidade do participante com o cão utilizando a cabeça e o rastreio da mão por meio do equipamento de realidade virtual. Três participantes aproximaram-se o suficiente do cão virtual agressivo para ser mordido. O estudo encontrou poucas evidências de enjoo do simulador e indica que os participantes viram o cão como realista.

“Este é um novo estudo piloto que supera os desafios associados à avaliação do comportamento humano em torno de cães reais que exibem comportamentos agressivos. As nossas descobertas destacam o potencial que o modelo de realidade virtual tem para nos ajudar a compreender melhor o comportamento humano na presença de cães e na nossa interpretação do seu comportamento”, afirma o estudante James Oxley. 

Os investigadores sugerem, ainda, que o cão de realidade virtual poderia ser desenvolvido para uso em outras áreas de investigação comportamental, como aulas de segurança educacional de cães e no tratamento de fobias caninas.

(Foto: divulgação)

Fonte: Veterinária Atual, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Outubro Rosa: oncologista veterinário fala sobre o câncer de mama em pets e a importância do diagnóstico precoce

Programa de Fauna exigido pelo Ibama auxilia na conservação de espécies ameaçadas

Universidade Federal da Paraíba lança edital com vagas para residência em Medicina Veterinária

NewsLetter

Cadastre-se agora e receba nossos boletins e atualizações em seu email. 

Integração
Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!