in

Mesmo após pandemia, digitalização do mercado pet deve seguir em alta

Comac aponta as principais mudanças que ocorreram no segmento neste período

A pandemia trouxe algumas mudanças nos hábitos dos consumidores e, entre elas, está o aumento nas compras on-line e busca por serviços de forma remota. O mercado pet não ficou de fora dessa tendência. De acordo com a pesquisa Radar Pet 2021, realizada pela Comissão de Animais de Companhia (Comac), 74% dos tutores de animais afirmaram fazer mais compras pela internet durante esse período. Além disso, 90% destes acreditam que o hábito irá continuar mesmo após a pandemia.

Outros comportamentos revelados pelo estudo apontam que 72% das pessoas, de forma, geral passaram mais tempo navegando online. Apesar da forte presença digital, o período também serviu para que 73% conseguissem aproveitar mais a companhia dos pets. Para 86%, esse tempo de qualidade deve se manter mesmo com a normalização das atividades.

Pelo menos um terço dos tutores comprou alguma medicação veterinária por e-commerce na pandemia (Foto: reprodução)

“No varejo pet brasileiro, a venda online tinha uma representatividade baixa antes da pandemia. Cerca de 3% a 5% do consumo era realizado por esse canal. Durante os meses críticos de isolamento social, houve uma aceleração muito grande das vendas através dos meios digitais. Depois dessa experiência inicial, a maioria dos tutores deve manter o uso dos e-commerces para adquirir produtos para seus animais”, esclarece o coordenador da Comac, Leonardo Brandão.

O período também fez com que os tutores se preocupassem mais com a saúde dos pets. Cerca de 66% dos entrevistados buscaram artigos e textos on-line sobre medicamentos ou bem-estar voltados para animais de companhia. O mesmo percentual também assistiu vídeos e lives sobre a temática. Dentro do universo digital, 39% ainda começaram a seguir algum influenciar digital ou página focada em pets.

Os médicos-veterinários entrevistados também relatam que a pandemia fez com que a comunicação com tutores por meio das redes sociais crescesse. Outro ponto relevado pela pesquisa da Comac é de que pelo menos um terço dos tutores comprou alguma medicação veterinária por e-commerce na pandemia.

Para a maioria deles, 2020 foi o ano da primeira compra desse gênero de produtos via on-line. A avaliação dessa modalidade de compra foi muito positiva. Entre os que ainda não adquiriram medicamentos online, aproximadamente metade se declara disposta a comprar. Além disso, como já destacado anteriormente, o gênero mercado online cresceu exponencialmente na pandemia e é um hábito que a maioria dos consumidores acredita que irá manter no futuro.

“Houve uma digitalização muito forte no Brasil no ano passado e nós sentimentos que os veterinários e o varejo pet tiveram que se comunicar com os tutores por meio de plataformas digitais. Temos muitos exemplos, desde redes de lojas que começaram a utilizar mais as redes sociais até quem entrou já digitalizado. As pessoas buscaram mais informação na internet e os veterinários e lojistas buscaram utilizar as mesmas ferramentas para se comunicar com seus clientes”, analisa Brandão.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Tumores de mama em gatas se apresentam de forma mais agressiva que nas cadelas

Elanco convida colaboradores para uma caminhada com cães de abrigo

Médica-veterinária conta história de luta e superação contra o câncer de mama

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

NIS Nutri

Nutri Ingredients Summit (NIS) reúne profissionais do setor alimentício para abordar tendências

app de reconhecimento facial

Aplicativo de reconhecimento facial de cães e gatos ajuda a encontrar pets perdidos