Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Marketing e Produtos

No Dia Mundial do Doador de Sangue, Vetnil reforça a importância da doação para os pets

Ao atender alguns critérios de saúde, cães e gatos podem ajudar a salvar vidas de outros animais que enfrentam situações médicas graves
Por Equipe Cães&Gatos
Por Equipe Cães&Gatos

A doação de sangue é uma iniciativa que pode ajudar a salvar vidas e, embora algumas pessoas não saibam, ela também pode acontecer entre os animais. Celebrado no dia 14 de junho, o Dia Mundial do Doador de Sangue tem como objetivo, além de agradecer aos doadores, conscientizar a sociedade sobre a necessidade de doações de sangue regulares. Por isso, a Vetnil, empresa brasileira do setor veterinário, aproveita a ocasião para reforçar a importância dessa boa ação para a vida dos pets, esclarecendo algumas dúvidas a respeito do tema.

- PUBLICIDADE -

Segundo Kauê Ribeiro, médico-veterinário e Coordenador de Comunicação Técnica da Vetnil, é muito importante que os tutores entendam os benefícios dessa atitude altruísta e como podem contribuir com os bancos de sangue de animais.  

É muito importante que os tutores entendam os benefícios dessa atitude altruísta (Foto: Divulgação)

“A transfusão sanguínea veterinária é um procedimento parecido ao que é feito nos humanos, porém, com algumas diferenças e é fundamental que seja realizado por profissionais capacitados e em ambientes adequados. Hoje, já existem clínicas e bancos de sangue que fazem todo esse processo, basta que o animal atenda aos critérios básicos, que envolvem ter boa saúde, nunca ter passado pelo procedimento de transfusão anteriormente, apresentar controle de pulgas e carrapatos, vacinação e vermifugação em dia e ter um temperamento dócil, por exemplo. Essa iniciativa pode ser vital para os animais que precisam passar por uma cirurgia de emergência, convivem com doenças crônicas, ou ainda, que foram vítimas de lesões graves”, aponta Ribeiro.

Além destes requisitos básicos para os pets doadores, conforme indicado pelo veterinário, há ainda particularidades de cada espécie. Os cães devem estar na faixa etária entre 1 e 8 anos, além de pesar no mínimo 25 kg. Já os gatos devem ter entre 1 e 10 anos de idade e ter no mínimo 5 kg. Também é importante garantir que os animais doadores não apresentem doenças infecciosas que possam ser transmitidas pelo sangue, como erliquiose, no caso dos cães, assim como a leucemia felina (FeLV) e o vírus da imunodeficiência felina (FIV), no caso dos gatos, além de outras que também são analisadas no local de coleta. Para ambas as espécies, as fêmeas não podem estar prenhes, lactantes ou no cio.

“Após a doação, os animais são acompanhados para garantir que mantenham um estado de saúde adequado. É fundamental garantir uma boa hidratação e alimentação ao animal doador após o procedimento, assim como a suplementação com vitaminas e minerais para auxiliar na recuperação das células sanguíneas doadas e garantir a manutenção da saúde e do bem-estar. Entre uma doação e outra, é importante respeitar o intervalo recomendado de três meses, em média”, explica Ribeiro.

Hoje, já existem clínicas e bancos de sangue que fazem todo esse processo (Foto: Reprodução)

De acordo com Dr. Luiz Felipe de Sousa, médico-veterinário da Amazoo Clínica e Diagnóstico e Banco de Sangue Veterinário, localizado em Jundiaí, interior de São Paulo, antes dos procedimentos é realizado um rigoroso processo de triagem, com diversos exames, para garantir a saúde dos doadores e dos pets que receberão as transfusões. Segundo ele, o recebimento contínuo das doações é essencial para manter o banco de sangue sempre abastecido, principalmente em meses como dezembro e janeiro, que costumam receber um menor número de voluntários.

“O Banco de Sangue Veterinário Amazoo possui um hemocentro com estrutura para disponibilização das bolsas de sangue total ou hemocomponentes aos veterinários, testes de compatibilidade, bem como para realização das transfusões no próprio local. Todas as nossas bolsas são obtidas através de procedimentos seguros, em ambiente controlado, atestadas por exames laboratoriais realizados em nosso centro de diagnóstico com qualidade acreditada pela norma ISO 9001/2015. Contamos com uma equipe capacitada, oferecendo todo o auxílio para que o médico-veterinário possa realizar a transfusão em sua clínica se assim o desejar”, conclui Sousa.

Fonte: Vetnil, adaptado pela Equipe Cães e Gatos.

LEIA TAMBÉM:
Você sabe por que os cães mordem o próprio rabo?
Conheça algumas diferenças entre gatos machos e fêmeas
Pet doador de sangue? Veterinária esclarece dúvidas sobre o procedimento

Compartilhe este artigo agora no