Buscar na cães e gatos

Pesquisar
Close this search box.
- PUBLICIDADE -
Marketing e Produtos

O que é mito e o que é verdade sobre as coleiras antiparasitárias para cães e gatos?

Profissional explica que as coleiras estão entre os métodos mais efetivos para controle contra carrapatos e pulgas nos pets
Por Equipe Cães&Gatos
pulga
Por Equipe Cães&Gatos

Os carrapatos e pulgas estão entre os parasitas mais comuns em cães e gatos. Mas mais do que uma simples coceira ou incômodo, esses parasitas podem ocasionar graves problemas de saúde tanto nos pets quanto em seus responsáveis. Por isso é fundamental que os tutores se mantenham informados e atuem de forma preventiva. 

Atualmente, há diversas soluções antiparasitárias no mercado, mas as coleiras tendem a proporcionar mais praticidade a tutores e conforto aos pets por oferecerem uma proteção duradoura e contínua contra carrapatos e pulgas. “Em razão da praticidade que a coleira oferece, dispensando a necessidade de reaplicação mensal ou administração de produtos complementares, muitos responsáveis têm dúvidas a respeito da eficácia e segurança dessa solução”, diz a médica-veterinária e consultora Técnica da Elanco Saúde Animal, Tatiana L. R Pavan.

Confira alguns mitos e verdades sobre as coleiras antiparasitárias: 

1. Cães e gatos que não saem de casa não precisam receber cuidados antiparasitários

Mito. Viver em ambiente interno não é garantia de que o animal não será acometido por parasitas. Isso porque o Rhipicephalus sanguineus (também conhecido como carrapato marrom de cães) é a espécie mais comum no Brasil e é a única adaptada à vida e reprodução em ambientes internos, como a nossa casa. “Devido ao comportamento de se reproduzir e viver dentro de ambientes domésticos, este carrapato está presente em praticamente todas as áreas urbanas do Brasil”, afirma Tatiana.

2. Apenas cachorros adultos podem usar coleira

Mito. Isso não é verdade. Há coleiras indicadas para as primeiras semanas de vida do animal. “A coleira Seresto, por exemplo, é uma solução presente no portfólio da Elanco que oferece proteção eficaz contra pulgas e carrapatos em cães e contra pulgas em gatos, com segurança comprovada”, afirma Tatiana. Ela é indicada para o uso em filhotes de cães a partir de 7 semanas de idade e de gatos a partir de 10 semanas.

Existem formas do consumidor se certificar que o produto que está comprando foi aprovado por órgãos reguladores (Foto: reprodução)

3. É necessário ficar trocando a coleira com frequência porque ela perde a eficácia

Mito. A Seresto é exemplo de solução com proteção duradoura. Ela protege por até 8 meses, tem ação exclusiva e age liberando princípios ativos em baixas doses controladas, distribuindo-os pela pele, pelo e camada lipídica do pet, diminuindo, assim, o risco de picadas, característica essa que faz de Seresto forte aliada dos animais alérgicos.

4. Coleiras podem ajudar animais alérgicos

Verdade. Um estudo supervisionado pelo médico-veterinário Dr. Ronaldo Lucas, profissional referência em dermatologia veterinária, avaliou os dados de 40 cães e constatou que o uso da coleira parasiticida Seresto pode ser uma importante ferramenta auxiliar no diagnóstico da DAPE, a dermatite alérgica à picada de ectoparasitas. Conforme a pesquisa, como Seresto age por contato, eliminando pulgas e carrapatos sem que seja necessário que esses parasitas piquem o animal,é possível chegar com mais assertividade ao diagnóstico de hipersensibilidade alimentar e/ou atopia, diminuindo a possibilidade de o processo alérgico ser decorrente de DAPE.

Para o diagnóstico da dermatite atópica é necessário eliminar algumas possibilidades, como picadas de parasitas e reações adversas alimentares. Este processo leva tempo, pois é necessário trabalhar com a hipótese dos diagnósticos diferenciais. Seresto se mostra uma forte aliada durante esse período pois se mantém eficaz nas etapas do diagnóstico diferencial”, afirma Tatiana. Além disso, a coleira Seresto possui tecnologia exclusiva, na qual seus princípios ativos ficam concentrados dentro da matriz da coleira. Por isso, não tem cheiro, não solta pó e é muito segura.

5. Coleiras são mais práticas que outros medicamentos

Verdade. Este é um diferencial importante: a eficácia associada à longa duração ajuda tutores e pets. No caso da Seresto, basta a colocação de uma coleira para ter até 8 meses de proteção contra pulgas e carrapatos, sem necessidade de reaplicações nesse período e reduzindo o risco de falhas na proteção, que comprometem o tratamento. A prolongada ação de Seresto proporciona também excelente custo-benefício, pois dispensa as reaplicações frequentes.

6. Se eu tiver dois ou mais animais em casa, não posso usar coleiras porque há o risco de um morder a coleira do outro e passar mal

Mito. Aqui depende de onde estão os princípios ativos na coleira. Os princípios ativos de Seresto ficam dentro da matriz polimérica do produto e não são liberados em meio aquoso, o que confere segurança, caso o animal morda. Seresto não tem cheiro e não solta pó. Entretanto, se o animal engolir partes da coleira, o animal deverá ser levado imediatamente ao médico-veterinário, por se tratar de ingestão de um corpo estranho.

7. Não tem como eu saber se a coleira que eu comprei é segura

Mito. Existem formas do consumidor se certificar que o produto que está comprando foi aprovado por órgãos reguladores, como MAPA, ou mesmo se passou por testes para obter o registro, o que garante qualidade e segurança. Basta buscar pelos números de registro na embalagem. Também é interessante verificar se a coleira que deseja é aprovada por outros órgãos regulatórios no mundo. Seresto, por exemplo, passou por uma revisão plurianual feita pela Environmental Protection Agency (EPA), dos Estados Unidos, em conjunto com a FDA. Esse estudo constatou que o produto, aprovado para uso em mais de 80 países e com mais de 110 milhões de unidades vendidas em todo o mundo, mantém seu perfil de segurança, com evidências científicas robustas que demonstram sua confiabilidade.

8. Há o risco de comprar coleiras falsificadas

Verdade. Para evitar adquirir produtos falsificados – que, além de não proporcionarem proteção, podem trazer risco à segurança dos pets – o tutor deve adquirir suas coleiras sempre em locais idôneos, como clínicas veterinárias, pet shops e lojas online regularizadas. “Pensando nisso, a Elanco criou uma página especialmente dedicada a orientar os responsáveis por pets sobre como evitar a compra de produtos falsos e imitações.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães e Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Oncologia veterinária também demanda empatia com tutores

Julho Dourado alerta sobre a importância da imunização de cães e gatos

FMVZ-USP lança curso de MBA em Mercado Pet

NewsLetter

Cadastre-se agora e receba nossos boletins e atualizações em seu email. 

Integração
Captcha obrigatório
Seu e-mail foi cadastrado com sucesso!