in

Veterinária dá dicas de como lidar com pulgas e carrapatos no pet e no corpo humano

Melhor prevenção é tratar o local onde os pets ficam, já que 90% dos ectoparasitas vivem no ambiente

Por mais que os animais de estimação sejam muito bem cuidados, é impossível evitar com que não contraiam carrapatos ou pulgas ao longo de sua vida. Diante disso, a médica-veterinária e professora de Medicina Veterinária da Unifran, Valeska Rodrigues, orienta e fornece dicas de como evitar e cuidar dos pets e do organismo humano nestas ocasiões.  

Segundo a docente, pulgas e carrapatos são parasitas externos comumente encontrados nos animais. “É normal que a presença desses organismos preocupe os tutores, pois podem gerar graves consequências para os pets e para as pessoas, como coceiras, infecções, feridas, alergias e até ocasionar uma doença mais grave como a erliquiose e babesiose em animais e doença de lyme e febre maculosa em pessoas”, explica.   

Ectoparasitas podem gerar graves consequências para os pets e para as pessoas, como coceiras, infecções, feridas e alergias (Foto: reprodução)

As pulgas, por exemplo, podem picar humanos e algumas espécies de carrapatos podem fixar-se na pele. O carrapato do cachorro não é um deles, porém os cães podem ter os carrapatos de outras espécies, podendo migrar para o corpo de seus tutores. “Muitas pessoas pensam que é impossível atrair estes parasitas em humanos, mas a verdade é que todo cuidado é pouco. Estes podem ser localizados nas axilas, articulações ou nas dobras da pele, como sob os seios ou na virilha”, diz Valeska.  

A docente destaca, ainda, que o tratamento das enfermidades transmitidas por carrapatos tem como base o antibiótico, porém costumam ter sinais graves com risco de óbito. Já as consequências das picadas são tratadas com medicamentos para minimizar os sinais clínicos. 

Mais importante que o tratamento, é a prevenção destes parasitas, pois este tipo de praga pode permanecer no organismo durante meses. “A melhor prevenção é tratar o local onde os animais vivem, pois cerca de 90% dos ectoparasitas vivem no ambiente. Importante utilizar medicamentos protetivos para os animais, com ectoparasiticidas, sprays, shampoos, coleiras repelentes e em casos mais graves procurar um profissional da saúde”, finaliza.

Fonte: AI, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Justiça determina que elefante Sandro permaneça no Zoológico de Sorocaba, interior de SP

Uso de cannabis para tratamento animal deve passar por autorização judicial

CFMV habilita entidade para concessão de Título de Especialista em Endocrinologia Veterinária

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

elefante Sandro

Justiça determina que elefante Sandro permaneça no Zoológico de Sorocaba, interior de SP

ético-profissional

CRMV-CE explica e como ocorre o processo ético-profissional na Veterinária e Zootecnia