in

Veterinários devem buscar a causa exata para a alopecia felina de cada paciente

Cada uma delas requer um tratamento específico, todos comentados pelo profissional

A lista de diagnósticos diferenciais para queda massiva de pelos é grande. Tendo isso em vista, como não errar? De acordo com o médico-veterinário, com residência em Clínica Médica de Pequenos Animais, residência em Dermatologia de Cães e Gatos e atual primeiro secretário da Sociedade Brasileira de Dermatologia Veterinária (SBDV), Maurício Piovesan Henrique, a grande chave para o sucesso na investigação e terapia dos quadros de alopecia felina está, na realidade, em criar uma relação de parceria entre cliente e médico-veterinário, de forma que fique claro ao tutor que o diagnóstico exato envolve etapas a serem cumpridas, diagnósticos diferenciais a serem excluídos gradativamente e muita paciência.

“Tratando-se de um quadro de alopecia felina, o diagnóstico sempre é mais desafiador. Muitas vezes, o tutor não consegue ser preciso nas informações da anamnese, e o exame dermatológico revela, como dito, uma lista grande de diagnósticos diferenciais que apresentam sinais muito similares e pouco específicos. Sendo assim, a taxa de erro ou inexatidão no diagnóstico pode ser mais alta. Por isso, criando uma relação de confiança e transparência, o médico-veterinário se sentirá mais seguro para conduzir o caso, passando pelas etapas diagnósticas necessárias e, por fim, estabelecendo o melhor tratamento para seu paciente. A comunicação é essencial”, ressalta.

Henrique afirma que, nos casos de dermatofitose, demodicidose e dermatite alérgica à picada de pulgas (DAPP), o prognóstico é bom. Para os casos de hipersensibilidade alimentar e síndrome atópica, o prognóstico para o controle efetivo dos sintomas é reservado a bom. 

“Já nos casos de hiperadrenocorticismo, pela escassez de dados técnicos, dada a raridade do quadro, o prognóstico é reservado a mau. E nos casos de alopecia psicogênica, caso for identificado o fator estressante, o prognóstico é bom; caso não, para o efetivo controle com as medidas farmacológicas e não farmacológicas temos um prognóstico reservado a bom”, compartilha.

Continue lendo a reportagem, gratuitamente, em nossa revista on-line. Acesse aqui.

Fonte: Redação Cães&Gatos VET FOOD.

LEIA TAMBÉM:

Nas redes sociais, veterinário deve tomar cuidado para não ferir Código de Ética Profissional

Veterinário alerta sobre os problemas que bolas de pelos podem causar

Faculdade de Veterinária da UFRGS se destaca em ranking mundial de universidades

(Foto: C&G VF)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

tai chi chuan

Tai Chi Chuan se enquadra às necessidades pessoais e promove bem-estar

probiótico

Você sabe o que são, quais as diferenças e o efeito da utilização de probióticos?